Turismo criminoso com animais 

Turismo criminoso com animais 

Ao visitar um lugar é preciso ter consciência e respeito com todos, fazer turismo consciente é fundamental. Muitos lugares exploram os animais e você desinformado e curioso ao participar desses shows contribui para esse turismo criminoso, onde animais são mantidos fora de seu habitat natural, explorados, apenas para você ter um momento de diversão e uma foto bonita nas suas redes sociais. Mas não, isso não é bonito!!!

Elefantes
Muitos lugares como Thailandia, Sri Lanka, África, Nepal, Índia exploram esses animais e os fazem de atrações turísticas. 

Aqui na Índia no Amber Forte em Jaipur eles ficam decorados com tintas, tecidos, enfileirados levando os turistas pela colina até a entrada principal. 


Todos esses elefantes domesticados são torturados com pauladas, chicotes, acorrentados, são separados de suas manadas, passam privações de sono, horário para se alimentarem, trabalham até à exaustão! Todos esses elefantes que permitem você montar nele acredite, ele passou e passa todos os dias por um processo de “adestramento”, maus tratos! Não contribua para isso! Faça uma caminhada! A origem dos animais é duvidosa e você está financiando um turismo criminoso!

Camelos
Passeios com camelos também se tornaram comuns e é um negócio lucrativo para muitas empresas. Egito, Marrocos, Dubai, Iêmen, Índia… Novamente esses animais também sofrem processos de adestramento e maus tratos, trabalhando até à exaustão, sendo chicoteados porque andam devagar.


Totalmente desnecessário pois nesses passeios eles têm o jipe e utilizam o animal para participar do show exótico pois é isso que atrai milhares de turistas curiosos.

Aqui na Índia, Jaisalmer uma cidade  localizada no coração do Deserto de Thar, estado do Rajastão, é bem famosa por esse “turismo” criminoso.

Zoológicos (Leões, Tigres, Leopardos) 
Muitos zoológicos permitem que turistas fiquem tirando fotos com animais silvestres. Principalmente na Thailandia adoram dar mamadeira, aparecer em alguma foto acariciando o animal, que está dopado e acorrentado! Como você acha que ele fica calmo o dia todo tirando fotos com desconhecidos?! 

Encantadores de serpentes

Mesmo depois da proibição no ano de 1991 a pratica de “hipnotizar” serpente ainda é encontrada com muita facilidade aqui na Índia.


É só um artista de rua parar com um cesto em um local movimentado que é plateia garantida. As Cobras são reverenciadas aqui na Índia. Pelo hinduísmo os encantadores de serpentes são considerados os seguidores de Lord Shiva, que em sua imagem tem uma cobra no pescoço. 

As cobras são surdas, elas não ouvem a música que sai da flauta como muitos pensam. Elas sentem a vibração e acompanham o movimento da flauta em uma posição natural de defesa para dar o bote. E o grande truque: passam urina de rato na ponta da flauta, estimulando o olfato da cobra. Muitas famílias fazem esse tipo de entretenimento criminoso passando de geração para geração. Capturam serpentes venenosas, a maioria mutilam a cobra, tirando suas presas e costurando sua boca para o grande espetáculo, hipnotizando multidões de curiosos.

Golfinhos, Baleias, circos… 

Quem vai aos Estados Unidos, Caribe, Japão e até mesmo no Brasil…

essas são as principais “atrações”. Mantidos em cativeiros e mesmo depois de tantas críticas ao parque SeaWorld, pela morte da Orca Tlikum que em um ataque violento matou a treinadora em 2010. Mesmo assim esses animais ainda são explorados pelo turismo sem consciência.

Espero que você pense antes de fazer uma viagem, pesquise e se informe se realmente vale a pena contribuir para esse tipo de turismo que apenas maltrata e explora os animais.

Há muito o que se fazer em um lugar diferente, muito o que descobrir e até repensar sobre os valores que buscamos para nós mesmos e para o mundo que vivemos. 

Compartilhe o texto, converse com seus amigos, com sua família e Diga Não ao Turismo Criminoso Com Animais!



❤️💡Apoie o canal para que possa produzir mais conteúdos como esse! 🙏🏻❤️💡
Aqui por esse site: ❤️💡 https://apoia.se/joicegabriela

✨✨Acompanhe e fale comigo nas outras redes sociais ✨✨

❤️🇮🇳🇧🇷Aconselhamento amoroso envie msg ou e-mail 🇧🇷🇮🇳❤️
❤️ Facebook: https://www.facebook.com/namastemundoporjoicegabriela
❤️Instagram: @joicegabriela 

https://www.instagram.com/joicegabriela/
❤️E-mail: joicegabrielabrazil@gmail.com
❤️🎥 YouTube: https://m.youtube.com/c/JoiceGabriela

Anúncios

ÍNDIA: Amor ou Ódio?!?!?!

ÍNDIA: Amor ou Ódio?!?!?!

Tenho certeza que você já ouviu por aí que todos sentem amor ou ódio pela Índia.Essa expressão já se tornou tão previsível que resolvi abordar e compartilhar com vocês sobre isso. 

O que você pensa sobre isso? Você está no Amor ou no ódio? 

Acompanhe também: 
❤️ Facebook: https://www.facebook.com/namastemundoporjoicegabriela
❤️Instagram: @joicegabriela 

https://www.instagram.com/joicegabriela/
❤️Blog: https://namastemundoporjoicegabriela.wordpress.com
❤️E-mail: joicegabrielabrazil@gmail.com
Muito obrigada, Namastê 🙏🏻❤️✨😘😘

Animais em Mumbai: A história da cadela “mãezinha”

Animais em Mumbai: A história da cadela “mãezinha”

Hoje após ver a minha companheira de apartamento comprando ração para dar aos animais de rua me lembrei do quanto fiquei abalada emocionalmente com a história da mãezinha. Você pensa que com o passar do tempo vai estar melhor, melhor preparada para enfrentar o que vê diariamente pelas ruas da Índia, mas a verdade é que não estou e talvez nunca irei me acostumar. Porque ainda dói.

Filhotes da mãezinha e ela ao fundo olhando. Por onde andam?

Quem me conhece sabe o quanto amo animais especialmente cachorros, e quando cheguei aqui cuidei da “mãezinha”, a chamo assim, uma cadela que encontramos no piso G do prédio, ela tinha acabado de dar à luz a 4 filhotes, estava sem forças até para tomar água e nem conseguia se levantar. Na época o pessoal que morava comigo também ajudaram e depois que eles foram embora continuei cuidando dela e dos filhotes. Depois o síndico ou segurança, não sei, alguém acabou expulsando ela e os filhotes do prédio e tive que fazer outro ninho para ela, com jornal e papelão do lado de fora. Colocava água e comida de manhã e à noite quando voltava para casa.


Depois um filhote acabou sendo machucado, alguém o feriu, só sei que a ferida deu bicho e na época pedi ajuda para ongs daqui, para arrumar um lar para eles, levei no veterinário e conheci uma moça indiana que me ajudou a cuidar dele, já que no meu apartamento eles não permitiam animais. A maioria não aceita animais de estimação.  Eles já estavam crescidos, tentei conseguir um lar para eles, mas não tive sucesso. Tive que parti, viajei para outro país e me separai da mãezinha e dos seus filhotes. Depois voltei para a Índia novamente, ela ficou super feliz ao me ver, balançando o rabo, pulando, mas quanto aos filhotes eu não sei o que aconteceu com eles e é uma pergunta que me faço todos os dias, será que estão bem? Será que sobreviveram? Por onde andam?

Estar aqui continua sendo um grande aprendizado, é sofrido ver a dor seja dos animais ou crianças, idosos. Todos que se encontram pelas ruas estão em extrema pobreza. Você se sente muito impotente diante de tanta miséria.

A “mãezinha” novamente me reconheceu, balançou o rabo mas dessa vez não pulou em mim como da última vez. Ela parece estar brava comigo porque não deve entender o por que desapareci e só agora voltei. O comportamento dela se parece com o da minha outra bebê no Brasil, a Mel, que fica emburrada quando demoro a voltar. Quando não estou aqui cuidando dela os moradores ao redor devem dar alguma comida ou então ela sai vagando por aí em busca de alimento e água. Ela ainda está aqui junto com outros cachorros e se encontra muito magrinha e doente.

 

mãezinha hoje

O número de animais abandonados é imenso, eles se encontram doentes e não são castrados, não possui nenhum controle de zoonose aqui. As pessoas gostam apenas de cachorros de raça, adotar não é praticado. O que você vê pelas ruas é muito triste. E quando você olha para o lado para ajudar um cachorro, muitas vezes existe um bebê em pior situação, uma família inteira, e isso acaba me abalando muito… se colocar no lugar do outro e tentar ajudar de alguma forma é o que nos faz semelhantes. Sei que ajudar um é muito pouco mas se cada um ajudasse um animal, ou alguém que cruza seu caminho, a Índia e o mundo estariam melhores. Sei que é uma realidade difícil de mudar, mas não impossível. As vezes aqui escuto muitos chorando, como se estivessem apanhando, e isso me deixa com raiva e diminui minhas esperanças no “ser humano”.

Caso não possa ajudar não maltrate, não abandone, não faça mal a eles. Agradeço os que de certa forma se sentem tocados e ajudam esses seres tão inocentes.

“Mãezinha” me ensina muito, apesar de tantas dificuldades ela é dócil e alegre. Agora ela está assustada, queria poder te levar para casa…